Satoshi to Bitcoin, USD and other currencies converter

Bitcoins são um mimo mais inútil que figurinhas da Copa do Mundo

Em qualquer rodinha de grisalhos hoje em dia, o papo não é mais o Viagra ou Cialis, nem troca de dicas p/ no Tinder atrair gatinhas que queiram homens maduros. É a porra do bitcoin. Essa semana tentei ajudar a vedete do momento a ter um valor real, útil e falhei miseravelmente, o que compartilharei com vossas senhorias nesse rant.
O que tentei nessa semana foi passar a aceitar bitcoins como forma de pagamento aos serviços essensais ao funcionamento da internet: colocation, trânsito IP, CDN e mitigação de DDoS. Isso permitiria que serviços digitais, online, pudessem custear sua operação de infra-estrutura com bitcoins o que por sua vez também permitiria que seus clientes dos joguinhos online, VPN, e-mail etc. pagassem pelo serviço com bitcoin, fazendo uma economia girar.
E me deparei com os seguintes problemas:
Resultado? Não é possível prover um serviço que faça parte de uma cadeia produtiva real, que faça a economia girar e ser remunerado por ele em criptomoedas. Nesse sentido, cédulas do Banco Imobiliário ou figurinhas da Copa do Mundo são mais úteis. Com uma caixa de figurinhas em ano de Copa na porta de uma escola você as troca por dinheiro vivo rápido, sem taxas, no strings attached.
Lembram daqueles jogos estilo Colheita Feliz? Que o povo torrava dinheiro para ter uma árvore de Bis de limão, uma vaca que dava Nescau direto da teta? Hoje o jogo saiu de moda e esses "ativos digitais" valem porcaria nenhuma. Bitcoin é isso, um arquivo da moda que hoje tem muito valor especulativo. Mas quando a moda passar ou você tentar realmente beber o Nescau da sua vaca da Fazendinha Feliz, verá que esse valor não está conectado ao mundo real.
Se não é uma moeda digital, o que é bitcoin então? É na minha humilde avaliação de alguém quem tem uma atividade econômica relevante, que emprega gente, paga impostos e gera riqueza nada mais é do que uma nova modalidade de pirâmide: um esquema abstrato, um produto sem real aplicação no mundo real (ex.: boi gordo, avestruz, TelexFree, TalkFusion) que você tem que pagar para entrar. E quanto mais gente entra, mais o valor do finito bitcoin sobe, os espertos vendem quando o valor fica bem além do que pagaram para entrar e pulam de para-quedas do esquema enquanto os trouxas ficam no avião sem saber que não há mais piloto e a rota é de colisão para o chão.
Bitcoin poderia ser muita coisa boa. O potencial realmente é fantástico, não adianta vir nos comentários tentar me catequizar no que ele poderia/poderá ser. Estou falando do presente. Não vivemos no mundo imaginário The Sims - onde o que imaginamos acontece. Vivemos no mundo real. Onde há câmbio, há fisco, há o estado e seus monopólios. O bitcoin não nos libertará assim como os Simoleons não nos libertaram.
Nada de útil se vende em bitcoin, nada de útil compra em bitcoin, serviços relevantes, bens relevantes não são e não serão trocados usando bitcoin como intermédio. Empresas que mineram, guardam, negociam e convertem bitcoin são tão malévolas quanto bancos tradicionais e seus juros. The cake is a lie.
submitted by magicomplex to brasil [link] [comments]

Dúvidas sobre Bitcoins!

Galera, estive pensado em investir uma graninha em bitcoins e não conheço muito o sistema, enfim, minhas dúvidas são as seguintes:
Transações com bitcoin aqui no Brasil (compra de moeda estrangeira por exemplo) são taxadas pelo governo ou reguladas pelo BC? Se sim, como funciona?
A conversão de bitcoins para moeda nacional e vice e versa é feita com base em um câmbio próprio do sistema ou com o câmbio normal?
Devo tomar algum cuidado especial (aquisição de um aparelho para uso exclusivo como carteira etc) com a gestão da minha carteira além das recomendações do site? Se sim, qual?
A flutuação do valor do bitcoin é alta?
E por ultimo, qual o grau de confiança de vocês na moeda?
Perdoem minha ignorância no assunto (não sei muita coisa mesmo) mas gostaria de aprender, e, não há jeito melhor para isso do que receber o feedback dos usuários atuais do sistema. Grato pela atenção.
submitted by Jandirosmar to brasil [link] [comments]

Estadão - Bolsa de Nova York cria índice de cotação de bitcoin

Em um importante passo em direção à aceitação do bitcoin pelo mercado financeiro, a Bolsa de Valores de Nova York anunciou ontem a criação de um índice que acompanhará a cotação da moeda digital. A iniciativa vai funcionar por tempo limitado e tem como objetivo se tornar um indicador de referência no valor da moeda, atualmente cotada de formas alternativas em diferentes sites.
Batizado com a sigla NYXBT, o serviço será oferecido no Índice Global da NYSE de forma gratuita. Para realizar a conversão de bitcoins em dólares, a bolsa irá acompanhar transações realizadas com a moeda pelo mundo. Atualmente, o Google e a Bloomberg também realizam a medição do valor de bitcoins, mas o mercado não conta ainda com um indicador de referência na categoria.
"Iremos usar nosso nome e reputação como fornecedor global de índices para nos diferenciar das cotações fornecidas pelo resto do mercado", disse Tom Farley, presidente da Bolsa, em comunicado à imprensa.
A Bolsa de Nova York já vinha se preparando para entrar no mercado da moeda virtual. Em janeiro, ela comprou uma carteira de US$ 75 milhões de bitcoins. Segundo Farley, a Bolsa está mostrando que consegue se adaptar facilmente aos novos dispositivos e tecnologias que surgem. "Não vamos esperar até que esse mercado evolua completamente; vamos sentar no banco da frente e ver como ela irá amadurecer."
De acordo com o presidente da bolsa nova-iorquina, a medida vai ao encontro da demanda do consumidor.
"O valor do bitcoin está rapidamente se tornando um dado que nossos clientes querem acompanhar quando estudam uma transação, negócio ou investimento com essa categoria emergente de bens", afirmou Farley. "Estamos felizes de trazer esta transparência ao mercado."
Sobre os câmbios de bitcoin que pretende monitorar, a bolsa reforçou que serão apenas aqueles "que foram avaliados e atenderam aos padrões da NYSE", disse o presidente da instituição.
Aceitação. Nos últimos meses, várias entidades de renome no setor financeiro norte-americano se aproximaram do bitcoin. A Nasdaq, bolsa de empresas de tecnologia, anunciou em março que iria fornecer a uma startup a tecnologia necessária para rodar um câmbio de compra e venda de bitcoins e demais moedas virtuais.
Depois de alertar investidores sobre a falta de segurança do bitcoin em 2014, o banco Goldman Sachs decidiu investir US$ 50 milhões em abril deste ano em uma operadora de bitcoin ao lado de um fundo de investimento chinês.
Larry Summers, ex-secretário do tesouro dos Estados Unidos, falou em fevereiro sobre a necessidade de regulação da moeda, que ele vê como uma maneira de reduzir custos e ineficiências no sistema de pagamentos globais.
No mês seguinte, a IBM afirmou que estava considerando a adoção de uma tecnologia usada na moeda digital bitcoin chamada "blockchain". Trata-se de uma carteira virtual com registro de transações. A intenção da IBM seria criar um sistema de moeda digital e pagamento para moedas importantes, segundo informações de uma pessoa familiarizada com o assunto.
Segundo o Banco da Inglaterra, 41 milhões de contas de bitcoins operavam no mundo em 2014. Embora o valor total do comércio de bitcoins seja desconhecido, analistas estimaram que os gastos globais em bens e serviços com a moeda dobraram no ano passado.
A mais popular entre as inúmeras moedas virtuais existentes, o Bitcoin não tem um administrador central; uma rede de computadores de voluntários valida as transações, que requerem assinaturas eletrônicas criptografadas. / AGÊNCIAS INTERNACIONAIS
FONTE ESTADAO
submitted by brasilbitcoin to BrasilBitcoin [link] [comments]

Bitcoin é alternativa viável a moeda estatal, avalia economista no RS

Entretanto, volatilidade da moeda virtual ainda é risco, diz especialista. No Rio Grande do Sul, dois locais aceitam pagamentos com bitcoin.
Ainda que não seja uma moeda física, o bitcoin, a moeda digital que possibilita infinitas transferências via internet, aos poucos ganha mais adeptos e conquista mais curiosos. A moeda, que só existe no ambiente virtual, foi criada há cerca de cinco anos e circula por meio de transações entre "carteiras" que existem nos computadores e smartphones dos usuários. Para especialistas, o bitcoin pode não durar, mas seu modelo deve permanecer. “Acredito que é correto dizer que o bitcoin é a primeira alternativa viável a moeda estatal. Elas vão coexistir por algum tempo. Dependendo do país, pode ter mais preponderância que em outros. O bitcoin, ou outra criptomoeda melhor, vai deixar sua marca no nosso sistema financeiro, sem dúvida alguma”, diz ao G1, o economista e escritor do livro "Bitcoin – A moeda na Era Digital", Fernando Ulrich. A obra foi lançada durante a 27ª edição do Fórum da Liberdade, em Porto Alegre.
A adoção como meio de pagamento já ocorre no Brasil por 54 estabelecimentos comerciais, de acordo com o Coin Map – serviço que reúne lugares que se dispõem a receber pagamentos dessa forma. No Rio Grande do Sul, são dois locais: uma agência de publicidade em Porto Alegre e um escritório de advocacia e consultoria em Santo Ângelo. No total, são cerca de 3,9 mil em todo o mundo.
O bitcoin funciona de maneira simples: a pessoa baixa o software, cria uma "carteira virtual" e passa a fazer parte da rede que gerencia as transações. O passo seguinte é comprar a moeda. Todo o dinheiro fica guardado no software do computador ou ainda armazenado no aplicativo do smartphone.
“A carteira virtual é o equivalente à agência e conta bancária. Mas há empresas que oferecem essa possibilidade online, em que o usuário acessa um site para verificar sua carteira de bitcoins. Ou ainda baixar um aplicativo no seu smartphone”, detalha Ulrich.
O bitcoin não tem uma central de gerenciamento, diferente das moedas como o real, que é gerenciada pelo Banco Central. “No bitcoin, a tarefa de validação e autenticidade ocorre de forma descentralizada. Qualquer usuário pode fazer isso, de qualquer lugar do mundo. A rede, em si, é muito segura. É um sistema aberto, todas as transações são públicas”, defende o economista. Mas para garantir a segurança, o bitcoin utiliza um complexo esquema matemático de criptografia – familiar para quem entende de computação.
Atualmente, transferir bitcoins não custa nada. Tal cenário torna a moeda atrativa para quem precisa enviar dinheiro de um país para outro, processo que cobra taxas bancárias e de câmbio elevadas. “Para transacionar internacionalmente, não tem fronteiras. É uma quebra de paradigma. E não há limites, posso enviar centavos ou milhões. Mesmo pagando um certo custo a uma casa de câmbio para converter em dólares no exterior, por exemplo, vale mais a pena do que pagar taxas pelo sistema bancário convencional”, justifica. A adesão ao uso do bitcoin é mais comum em países desenvolvidos da Europa, como Alemanha, além dos Estados Unidos e Canadá, onde cada vez mais empresas aceitam a moeda virtual em troca de seus produtos e serviços. “Em países emergentes, está se popularizando. O Brasil ainda está muito atrás, mas é compreensível, já que é uma tecnologia inovadora”, avalia Ulrich. O especialista aponta três itens como vantagens para utilizar a moeda virtual. “É rápido, barato e seguro. A transação ocorre de forma instantânea”, pondera. Ainda que o bitcoin possa estar distante da realidade de muitos os brasileiros, Ulrich acredita que esse cenário deva mudar nos próximos anos.
“Acho que a tecnologia vai continuar se difundindo no Brasil. As pessoas podem não ter pleno acesso à internet ainda, mas hoje existem mais celulares que pessoas no país. Quase todo mundo tem um aparelho celular, e logo vai ser um smartphone. Basta um smartphone e você pode ter bitcoin”, crê. “É muito possível que uma pessoa no agreste brasileiro não tenha uma conta bancária, mas pode ter um celular e ter uma conta de bitcoin”, arrisca.
Volatilidade da moeda virtual é risco
Apesar das vantagens, a volatilidade ainda é um dos riscos para quem usa o bitcoin. Os governos da China e da Rússia proibiram negociações com moeda. “Isso [volatilidade] ainda é um problema, por ser um sistema que ainda está começando, com volume e liquidez muito baixos. Aconselho a quem me pergunta, por exemplo, a não investir algum patrimônio relevante em bitcoin, por exemplo. Mas acho que a tendência no futuro é ele [bitcoin] valer mais, porque tem muitas vantagens”, ressalta.
Próximo ao Brasil, os argentinos são os representantes da América Latina no uso de bitcoin, mas de forma diferente: não para adquirir produtos e serviços de algumas empresas, mas para aplicar em uma espécie de “poupança virtual”. “A gente observa que muita gente está usando o bitcoin como reserva de valor. É algo como uma proteção contra o peso argentino, que está desvalorizando bruscamente. O bitcoin acaba sendo um refúgio e proteção contra a moeda dos argentinos. Nos países desenvolvidos essa prática não é tão clara e nem tão necessária”, argumenta.
O valor do bitcoin é variável, baseado na cotação de todos os tipos de moeda. Conforme Ulrich, todos os países tem ao menos uma casa de câmbio que facilita a troca e conversão de bitcoins. No Brasil, 1 bitcoin hoje está cotado em cerca de R$ 1.150. “É importante salientar que você não precisa comprar 1 bitcoin. Pode ser 0,01 bitcoin, por exemplo. Como se fossem centavos”, sustenta.
submitted by allex2501 to BrasilBitcoin [link] [comments]

Freelancing e recebimento de dinheiro do exterior

Bom dia, doutores. Preciso sanar algumas dúvidas relacionadas ao recebimento de dinheiro do exterior principalmente com relação aos impostos e custos em geral. Sem mais delongas, vamos lá.
tl;dr preciso sempre declarar todos os meus ganhos fora do Brasil mesmo na minha situação (vide abaixo)? Como amenizar isso?
Ou então prossiga para a seção "O problema" para ver a pergunta em detalhes.

A situação

Sendo bem direto, tenho 18 anos e recém sai do Ensino Médio, não trabalho, nunca trabalhei, não tenho cartão de crédito, só uma conta NuBank e não tenho qualquer renda. Minha família está passando por uns apertos e para amenizar pensei em ganhar uma grana sendo freelancer para aproveitar a alta do dólar e minha semi-fluência em inglês. O plano inicial era tirar uns 500 USD por mês, tem projeto que paga isso numa semana, mas estou atirando baixo em trabalhos de data entry e tradução que pagam bem menos. Com esse dinheiro já cambiado e depois de uns 3 meses juntando, eu manteria ele na minha conta NuBank e começaria a investir com renda fixa e variável, day trade, buy & hold, o que for necessário e seguindo as informações daqui e de outros fóruns. Sei que não faria muita grana agora mas a ideia era de começar cedo e ganhar experiência.

Freelancing

Estou usando o site freelancer.com (sim, eu sei da Workana e do 99freelas). Entrei num concurso e tenho grandes chances de ganhar 15 dólares canadenses que, no câmbio de hoje, dá uns 54 reais. Teria trabalhado bem mais e criado conta na Workana e em outros site se não fosse o meu problema a seguir.

Explicando

Pelo que entendi, toda transação do tipo envolve duas etapas:
  1. Receber e converter o dinheiro para o Real (seja por banco ou terceiros);
  2. Declarar os ganhos no imposto de renda.
1 - Nesse primeiro ponto é necessário saber de antemão que segundo decreto de lei recente, brasileiros NÃO podem manter dólar ou qualquer moeda estrangeira na sua conta bancária sem antes converter para real. Aliás, é por isso que o Paypal converte direto agora, sem nem perguntar, usando taxas absurdas.Essa conversão se dá pelo desconto de impostos. Você sempre sai perdendo. Portanto, a questão aqui é minimizar as perdas.
Pelas minhas pesquisas, bancos comuns cobram 20 USD fixos + taxas de IOF + Spread + qualquer outro imposto que der no cu deles, seja pra 10 dólares ou 1 milhão. Por isso, bancos não valem a pena nesse processo. A alternativa é usar outras empresas que fazem o serviço usando taxas menores. Pesquisando, encontrei uns dez sites que fazem isso, como o Remessa Online, PayPal, TransferWise, Banco Inter, Western Union, Husky, Payoneer, Skrill... A lista é longa e não é da intenção desse post desenvolver nos detalhes intrínsecos de cada um. A verdade é que o Remessa Online é o melhor de todos até agora pois para receber dinheiro de fora não há tarifas fixas como na maioria e o IOF é de apenas 0,38%, além de um custo de 1,3% do valor recebido, uma das menores que achei. Pra simplificar: no final de tudo seria descontado 1,68% do teu câmbio final (que tu receberia sem as tarifas), o que é bem conveniente para pequenas transações. Ainda é gratuito, fácil de criar conta, recebe de PJ para PF, tem suporte para várias moedas, é bem seguro e possui ótimo suporte. Remessa Online é o que eu decidi por ora.
OBS: a partir daqui eu já não tenho muita certeza de nada, esta é a síntese do amalgamado de informações que encontrei e está da maneira que eu interpretei. Corrijam-me se houver erros, por favor.
2 - Nesse segundo ponto é que está a merda. Pelo que entendi, nem tudo é maravilha porque o governo além de meter tarifas de conversão da moeda até no teu furico, exige que todo mês seja declarado nos teus impostos os ganhos no exterior pelo famigerado carnê-leão. E é aqui que começou de fato o meu problema.

O problema

Na real mesmo? Eu nunca tive contato na vida com impostos, não tenho emprego (tá difícil aqui onde moro) e nem renda. Não quero dar um de coitadinho da escola pública mas a verdade é que esse tipo de coisa nunca foi nem citado durante meus mais de 10 anos de escola. A questão: Como eu devo proceder?
Pelo que eu entendi, há regras para quem deve declarar o imposto: ser maior de 18, ter renda, ter ganhado x ou investido y ano passado, etc. O Google explica. Entretanto, nos fóruns da vida, é dito que toda renda no exterior deve ser declarada, e fico num impasse. Eu farei, no máximo, e estou sendo generoso, uns 500 USD por mês. Máximo mesmo. Não quero tratar de ilegalidades aqui, tanto que estou perguntando para não sujar meu nome, mas sendo bem franco: as pessoas pagam isso mesmo? Caras, se tu for pessoa física são 27% de impostos que tu tem que pagar pro Governo. Como eu ainda vou estar ganhando acima do câmbio 1:1, ainda estarei lucrando, mesmo que perdendo esse tanto de dinheiro, mas mesmo assim, pra mim é um absurdo ter que dar mais de 1/4 dos meus ganhos pro Governo pra minha rua não ter nem saneamento e usar internet via rádio, lmao. É uma piada, sei que não é bem assim que funciona. Me perdoem a ingenuidade mas foi um choque de realidade.
Para finalizar, já me passaram alternativas, sendo elas:
No final tudo se resume a: preciso realmente pagar esse impostos? Se sim, temos opções legais para burlar (como a dos bancos internacionais) ou só pagar menos?
Bom, era isso. Não postei na megathread de impostos pois percebi que é uma pergunta bem específica e que pode ser aproveitada por outras pessoas também. Desculpem-me o textão, não costumo postar muito nessa minha conta "séria" mas muito obrigado a quem leu, o Reddit é meu salva vidas pra muitas coisas e a internet é o único meio de contato que tenho para esse tipo de informação. Valeu!
submitted by luis_gfm to investimentos [link] [comments]

"Controle cambial como uma grande centrífuga de corrupção" na Venezuela & "criptomoeda indígena da FUNAI / UFF" no Brasil

Meio que um pensamento de chuveiro...
Fica claro hoje, que o principal método de ação de Chavéz e Maduro para sustentarem seus privilégios era através de um controle cambial "maluco" no qual a cotação do dólar em relação ao Bolivar, na cotação oficial do governo, era muitas vezes menor do que a cotação factível para o povo através de casas de câmbio ou mesmo doleiros. Mais de 100x vezes menor, ou seja, se o governo dizia que 1 dólar valia 200 bolivares, na prática o povo precisaria de 20 mil bolivares para trocar por 1 dólar... Com fatores de conversão tão aberrantemente diferentes, é fácil para um governo sem transparência manipular estas conversões convenientemente para gerar dinheiro sujo literalmente do nada, aí a comparação da centrífuga de corrupção baseada no câmbio, como exemplificou o juiz que fugiu pros EUA recentemente.
Vale lembrar que Maduro há alguns meses atrás criou o tal Petros, uma criptomoeda Venezuelana com uma certa correlação com o petróleo deles.
Acho que todos concordamos que o principal risco das criptomoedas é a sua volatilidade, ou seja, a variação grande, de mais de 10 vezes em um curto período de tempo, que o bitcoin apresentou no ano passado, talvez até mais de 1000x se levar em consideração um período de vários anos desde sua criação...
Percebem o problema? Criptomoedas (controladas por governos ou fundações de governos) podem tranquilamente ser usadas para gerar dinheiro "do nada" para alimentar uma "centrífuga de corrupção".
Nunca saberemos como seria a tal criptomoeda indígena brasileira, um verdadeiro "acué odara", pq o governo Bolsonaro cortou o mal pela raiz, anulando a sórdida licitação de esquerdinhas da FUNAI no apagar das luzes de 2018.
Mas é possivel imaginar que, num futuro que felizmente não existirá, os custos de qualquer coisa relacionados às populações indígenas seriam definidos em "acué odara", e o governo ou pessoas/empresas teriam que prover a quantidade "equivalente" em reais. Num primeiro momento, nada mudaria em relação aos custos, em Reais, para "a causa indígena". Mas num breve futuro, com a FUNAI e a UFF controlando a cotação do "acué odara" em relação ao Real, haveria um verdadeiro sumidouro de dinheiro de verdade, e as "sobras", de difícil rastreabilidade, certamente iriam para os bolsos de alguém, provavelmente contas de partidos de esquerda aqui ou em paraísos fiscais, para financiar sua existência e gastança.
submitted by ebaroni83 to brasilivre [link] [comments]

O que são moedas estáveis? USDT, TUSD, GUSD, USDC e USDQ (tradução do texto original - link no rodapé)

O que são moedas estáveis? USDT, TUSD, GUSD, USDC e USDQ
Neste artigo, Slava Mikhalkin fala sobre o USDQ, um stablecoin totalmente algorítmico que oferece confiabilidade e fácil colateralização para o Bitcoin. Trabalhando como um arquiteto Blockchain na PLATINUM ENGINEERING, a Slava colabora com a equipe de + 200 funcionários para desenvolver soluções inovadoras em carteiras de marca branca, plataformas de captação de recursos STOs e IEOs e modelos de negócios de ciclo completo para projetos de criptografia. Uma importante proposta de valor, trazida pela PLATINUM ENGINEERING, é uma abordagem holística, em que um conjunto de talentos versátil ajuda as startups a desenvolver capacidades em TI, marketing e jurídico. Um exclusivo stablecoin USDQ descentralizado apresenta vários algoritmos de estabilização de preços, um intrincado sistema de incentivos para traders e um módulo de análise preditiva orientado por IA. Este romance stablecoin vale a pena notar enquanto ainda está reunindo vapor. Prefácio
É claro que as criptomoedas estão gradualmente fazendo incursões na economia global, aproximando-se da adoção em massa. As criptocorrências oferecem uma série de vantagens - descentralização e confiança, baixas comissões e desintermediação - que facilitam a realização das transações diárias dos usuários. Qualquer pessoa pode transferir valor para todo o mundo, ganhando com o tempo de processamento rápido.
Em comparação, o envio de valores através das fronteiras por meio de sistemas financeiros legados requer longos períodos de espera e taxas, ao mesmo tempo em que torna os usuários presos em processos altamente complexos. Por exemplo, se uma pessoa do Japão quiser enviar algum dinheiro para a Inglaterra, as taxas podem variar de 5% a 10%, dependendo do sistema usado. Além disso, haverá algumas taxas de conversão de moeda. Parece que os jogadores centralizados, que atualmente desfrutam da falta de competição, estabelecem taxas e comissões exatamente como desejam.
E são os comerciantes que realizam transações transfronteiriças que acham que trabalhar com instituições financeiras legadas é mais problemático. Eles continuam perdendo grandes pedaços de seus lucros potenciais, apenas pagando taxas aos processadores de pagamento. Isso faz com que as empresas aumentem seus preços, passando essas despesas para os consumidores comuns. A Crypto oferece uma mudança de paradigma, trazendo para a mesa velocidades relâmpago e taxas mais baixas. Embora as criptomoedas tenham conquistado cada vez mais a atenção dos comerciantes em todo o mundo, ainda há vários obstáculos para uma adoção mais ampla, entre os quais estão a volatilidade dos preços, as limitações de escalabilidade e outras.
A volatilidade é reconhecidamente o maior obstáculo que impede que as empresas usem mais moedas criptografadas. Bitcoin pode experimentar grandes flutuações em apenas algumas horas ou mesmo minutos. Além disso, as principais moedas, como Bitcoin e Ethereum, apresentam problemas de escalabilidade, o que resulta em alto tempo de processamento. Um comerciante, que tem que lidar com centenas de pagamentos diariamente, não seria capaz de conduzir seus negócios eficientemente se as transações ficarem paradas por dias a fio. Além disso, é extremamente difícil para os adeptos converter moedas criptografadas em fiat através dos bancos e outros agentes financeiros com os quais normalmente trabalham.
As criptocorrências procuram oferecer soluções para todos esses problemas.
O que é stablecoin?
Uma stablecoin é uma criptomoeda, cuja arquitetura permite que seu preço seja sempre igual ao preço de outro ativo. A maioria dos stablecoins está vinculada ao dólar americano. Os maiores nomes em criptomoedas são Tether, Gemini Dollar, USDQ, TUSD e outros.
Como os stablecoins conseguem ser tão estáveis?
Ao contrário de outras moedas que flutuam livremente, as criptomoedas estáveis ​​exigem que cada unidade receba uma unidade da moeda fiduciária. Por exemplo, Tether (USDT) fixa 1 USDT a 1 USD na base de um para um. Desta forma, stablecoins estão em algum lugar entre cryptocurrencies e regular fiats. O Tether é baseado em seu próprio blockchain que é construído sobre os sistemas Bitcoin, Litecoin e Ethereum.
Embora o Tether seja o maior stablecoin, há uma série de preocupações quanto às suas operações. A maior delas é a contínua controvérsia quanto às reservas fiduciárias, que o emissor deve armazenar na relação um-para-um com o número de unidades Tether emitidas. A empresa tem dito que a auditoria será feita em um futuro próximo, mas há apenas algumas semanas começou a afirmar que não é apenas o dinheiro, mas também empréstimos para outras empresas que podem ser registradas como reservas fiduciárias. Essas declarações resultaram em crescente desconfiança entre os entusiastas da criptografia.
Outro projeto é o TrueUSD (TUSD). Ele também atrela ao USD. A diferença com o Tether é a abertura para auditorias e transparência. A empresa está aberta a auditorias de terceiros, publica os relatórios devidamente verificados sobre as reservas fiduciárias que detém. Além disso, os usuários desfrutam de proteções legais.
O USDC é outro stablecoin que foi criado pelo famoso Círculo de troca de criptomoedas. Assim como TUSD, se oferece conformidade regulatória e transparência. O grande problema em todos esses sistemas é o fato de que eles permitem que as autoridades aproveitem os fundos dos usuários, o que nega completamente a própria idéia de descentralização e anti-censura, na qual a criptografia é construída.
O USDQ é diferente de outros stablecoins, uma vez que não é respaldado pela moeda fiduciária, mas pelo Bitcoin e outras dez criptomoedas no futuro. Isso permite que o ecossistema evite lidar com sistemas financeiros legados. Através do processo de supercollateralização, USDQ transforma criptomoedas altamente voláteis no USDQ indexado ao USD, que é perfeito para armazenar valor e processar transações na economia externa, sem qualquer risco de mudanças de preço. A moeda está sendo desenvolvida pela PLATINUM ENGINEERING com a pequena comunidade crescendo lentamente em torno do projeto.
Por que precisamos de stablecoins?
Stablecoins avançaram como uma nova iteração em criptomoedas, permitindo tratar de questões como alta volatilidade e interações com sistemas financeiros legados.
Moedas como o USDQ garantem que vários mecanismos sejam usados ​​para estabilizar os preços na pegada do USD. Os traders podem facilmente mudar seus Bitcoins para USDQ e, assim, evitar o impacto negativo em mudanças indesejadas de preços. Stablecoins são muito fáceis de usar, o que é um benefício para os usuários não-techy. Qualquer pessoa de todo o mundo pode rapidamente converter fiat em stablecoins, sem qualquer necessidade de pensar em futuras mudanças de preço e sem se preocupar com riscos potenciais de perder seus fundos. Como regra geral, você sempre encontrará vários pilares em trocas de criptografia, permitindo que os comerciantes se movimentem rapidamente em estábulos e outros criptos.
Como já falamos acima, os pagamentos transfronteiriços ganham mais com o uso dos stablecoins. Esta espécie híbrida entre decreto e criptografia ajudará a abrir o valor oculto no comércio global, totalizando trilhões de dólares em lucros para as partes interessadas.
O USDQ é stablecoin descentralizado, que usa algoritmos para oferecer maior estabilidade e confiabilidade. Totalmente on-chain e monitorado por robôs AI de alta velocidade, o ecossistema oferece defesas confiáveis ​​contra ataques e ações maliciosas. Primeiro executado na linha de adaptadores, o USDQ é trazido pela PLATINUM ENGINEERING Team, buscando soluções inovadoras em colateralização, usando mecanismos de estabilização e oráculos para estabilizadores de alta resistência. Totalmente anónimo, o USDQ ultrapassa os limites deste mundo legado.
PLATINUM ENGINEERING compartilha abertamente sobre o seu desenvolvimento e vetores para o crescimento, permitindo que as partes interessadas aprendam sobre soluções de ponta no domínio blockchains / crypto. A PLATINUM ENGINEERING já ajudou mais de 150 projetos de criptografia a crescer através da emergente economia blockchain do futuro. As empresas ficariam maravilhadas com as novas capacidades que poderiam obter através da tokenização de seus modelos de negócios, automatizando os processos de negócios de rotina e atraindo investidores para os mercados de criptografia. A equipe dá as boas-vindas à comunidade para entrar em contato diretamente através dos grupos oficiais do Telegram, Facebook ou LinkedIn. Os leitores aprenderão como obter novas vantagens competitivas tocando no blockchain em seu blog.
submitted by cristsouza to u/cristsouza [link] [comments]

Venha conhecer um pouco mais sobre Criptomoedas.

O que são moedas estáveis? USDT, TUSD, GUSD, USDC e USDQ
Neste artigo, Slava Mikhalkin fala sobre o USDQ, um stablecoin totalmente algorítmico que oferece confiabilidade e fácil colateralização para o Bitcoin. Trabalhando como um arquiteto Blockchain na PLATINUM ENGINEERING, a Slava colabora com a equipe de + 200 funcionários para desenvolver soluções inovadoras em carteiras de marca branca, plataformas de captação de recursos STOs e IEOs e modelos de negócios de ciclo completo para projetos de criptografia. Uma importante proposta de valor, trazida pela PLATINUM ENGINEERING, é uma abordagem holística, em que um conjunto de talentos versátil ajuda as startups a desenvolver capacidades em TI, marketing e jurídico. Um exclusivo stablecoin USDQ descentralizado apresenta vários algoritmos de estabilização de preços, um intrincado sistema de incentivos para traders e um módulo de análise preditiva orientado por IA. Este romance stablecoin vale a pena notar enquanto ainda está reunindo vapor.

Prefácio

É claro que as criptomoedas estão gradualmente fazendo incursões na economia global, aproximando-se da adoção em massa. As criptocorrências oferecem uma série de vantagens - descentralização e confiança, baixas comissões e desintermediação - que facilitam a realização das transações diárias dos usuários. Qualquer pessoa pode transferir valor para todo o mundo, ganhando com o tempo de processamento rápido.

Em comparação, o envio de valores através das fronteiras por meio de sistemas financeiros legados requer longos períodos de espera e taxas, ao mesmo tempo em que torna os usuários presos em processos altamente complexos. Por exemplo, se uma pessoa do Japão quiser enviar algum dinheiro para a Inglaterra, as taxas podem variar de 5% a 10%, dependendo do sistema usado. Além disso, haverá algumas taxas de conversão de moeda. Parece que os jogadores centralizados, que atualmente desfrutam da falta de competição, estabelecem taxas e comissões exatamente como desejam.

E são os comerciantes que realizam transações transfronteiriças que acham que trabalhar com instituições financeiras legadas é mais problemático. Eles continuam perdendo grandes pedaços de seus lucros potenciais, apenas pagando taxas aos processadores de pagamento. Isso faz com que as empresas aumentem seus preços, passando essas despesas para os consumidores comuns. A Crypto oferece uma mudança de paradigma, trazendo para a mesa velocidades relâmpago e taxas mais baixas. Embora as criptomoedas tenham conquistado cada vez mais a atenção dos comerciantes em todo o mundo, ainda há vários obstáculos para uma adoção mais ampla, entre os quais estão a volatilidade dos preços, as limitações de escalabilidade e outras.

A volatilidade é reconhecidamente o maior obstáculo que impede que as empresas usem mais moedas criptografadas. Bitcoin pode experimentar grandes flutuações em apenas algumas horas ou mesmo minutos. Além disso, as principais moedas, como Bitcoin e Ethereum, apresentam problemas de escalabilidade, o que resulta em alto tempo de processamento. Um comerciante, que tem que lidar com centenas de pagamentos diariamente, não seria capaz de conduzir seus negócios eficientemente se as transações ficarem paradas por dias a fio. Além disso, é extremamente difícil para os adeptos converter moedas criptografadas em fiat através dos bancos e outros agentes financeiros com os quais normalmente trabalham.

As criptocorrências procuram oferecer soluções para todos esses problemas.

O que é stablecoin?

Uma stablecoin é uma criptomoeda, cuja arquitetura permite que seu preço seja sempre igual ao preço de outro ativo. A maioria dos stablecoins está vinculada ao dólar americano. Os maiores nomes em criptomoedas são Tether, Gemini Dollar, USDQ, TUSD e outros.

Como os stablecoins conseguem ser tão estáveis?

Ao contrário de outras moedas que flutuam livremente, as criptomoedas estáveis ​​exigem que cada unidade receba uma unidade da moeda fiduciária. Por exemplo, Tether (USDT) fixa 1 USDT a 1 USD na base de um para um. Desta forma, stablecoins estão em algum lugar entre cryptocurrencies e regular fiats. O Tether é baseado em seu próprio blockchain que é construído sobre os sistemas Bitcoin, Litecoin e Ethereum.

Embora o Tether seja o maior stablecoin, há uma série de preocupações quanto às suas operações. A maior delas é a contínua controvérsia quanto às reservas fiduciárias, que o emissor deve armazenar na relação um-para-um com o número de unidades Tether emitidas. A empresa tem dito que a auditoria será feita em um futuro próximo, mas há apenas algumas semanas começou a afirmar que não é apenas o dinheiro, mas também empréstimos para outras empresas que podem ser registradas como reservas fiduciárias. Essas declarações resultaram em crescente desconfiança entre os entusiastas da criptografia.

Outro projeto é o TrueUSD (TUSD). Ele também atrela ao USD. A diferença com o Tether é a abertura para auditorias e transparência. A empresa está aberta a auditorias de terceiros, publica os relatórios devidamente verificados sobre as reservas fiduciárias que detém. Além disso, os usuários desfrutam de proteções legais.

O USDC é outro stablecoin que foi criado pelo famoso Círculo de troca de criptomoedas. Assim como TUSD, se oferece conformidade regulatória e transparência. O grande problema em todos esses sistemas é o fato de que eles permitem que as autoridades aproveitem os fundos dos usuários, o que nega completamente a própria ideia de descentralização.

A plataforma da QDAO, uma das melhores plataformas do mundo está com um Airdrop, extraordinário para quem está atras de recompensas por pequenas tarefas e recompensas grandes.
Venha fazer parte dessa família.
submitted by rmeireles39 to u/rmeireles39 [link] [comments]

[SERIO] Porra, não quero pagar 50% dos meus bitcoins!

Boas,
Pessoal das cryptocurrencies, tenho dúvidas sobre como liquidar a minha futura "riqueza".
Então, tou aqui eu, todo contente, amealhar bitcoins. Chega a um dia e penso:
"oh, investi 100euritos, já ganhei 50, bora lá levantar o dinheiro".
Como não existe nada em concreto regulamentado na lei, até achei que seria algo do gênero:
Não sei de nada, daí os italicos
Tudo lindo mas, tenho pessoal a dizer-me que todos esses ganhos são considerados como mais valias aos olhos do estado, portanto, tenho de declarar 50% de tudo.
Ou seja, fodasse. Chorei.
O quão verdade é isso?
Thanks
submitted by MostWanted12345 to portugal [link] [comments]

Dúvidas Investimento bitcoin

Boa tarde. Estou com a intenção de investir em bitcoins, a dúvida que tenho é: 1- como e quais impostos eu vou precisar pagar sobre o reendimento, compra e venda, e a conversão da moeda. 2- como são feitas as transferências de dinheiro na compra e venda?
submitted by Nyderz to investimentos [link] [comments]

[Sério] Moedas alternativas

Boa tarde, Alguém me sabe dizer como é que se processa um pagamento em bitcoins por exemplo em relação a impostos. Por exemplo, não é possível passar uma factura a não ser que seja feito à taxa de conversão certo ? Se todas as transacções da empresa forem feitas em bitcoins como é que estas são taxadas ? É possivel pagar ordenados com este tipo de moedas se assim for definido no contrato ?
submitted by aljadar to portugal [link] [comments]

Cambio de Criptomoedas

Atualmente Brasileiros têm certa dificuldade em adquirir criptomoedas que não sejam Bitcoin diretamente com Real ou crédito Brasileiro, a maioria (absoluta?) das casas de câmbio apenas lida com Bitcoin.
Como atualmente resido nos Estados Unidos, tenho acesso às casas de cambio internacionais sem dificuldades. Por isso, decidi anunciar aqui que estou à disposição para fazer câmbios direto de altcoins.
Minha ideia é realizar as transações nos moldes da LocalBitcoins, acertamos qual criptomoeda deseja, os valores da cotação, a transferência bancária e, assim que confirmado, lhe transfiro a moda que desejar para um endereço seu.
A grande vantagem de realizar as transações assim é que sem a compra, conversão e transferência de Bitcoins entre diferentes sites, não há gastos com taxas.
Interessados me enviem mensagem por PM.
submitted by prvst to BrasilBitcoin [link] [comments]

Alguém aqui tem ethereum?

Eu tenho uma carteira de bitcoin no mercadobitcoin e estava pensando em trocar um pouco do meu saldo por ethereum, mas parece que só tem exchange gringa que trabalha com a moeda. Alguém sabe de alguma maneira mais simples de fazer a conversão de BTC para ETH?
edit: pra quem se interessar, dois usuarios indicaram o shapeshift.io para troca, eu usei e gostei bastante, da pra trocar altcoins sem precisar se cadastrar e era justamente isso que procurava
submitted by huezinator to brasil [link] [comments]

Brasília ganha loja física de Bitcoin SP e Florianópolis são as próximas

A BitcoinToYou, única empresa com lojas físicas do Brasil a realizar transações entre o real e a moeda virtual, inaugurou seu segundo estabelecimento no país ontem (21), em Brasília. A primeira a comercializar bitcoins foi aberta em Curitiba, em junho do ano passado, e as próximas deverão ser em São Paulo e Florianópolis, ainda este ano, segundo a empresa.
O que é
A unidade monetária Bitcoin (BTC) é uma moeda online que não possui uma gerência central, tendo seus valores descentralizados a partir de transações por rede de compartilhamentos P2P (ponto-a-ponto). Por também não depender de intermediários financeiros, como bancos e instituições reguladoras como o Banco Central, as transações não contam com impostos e possuem taxas menores de transação.
De acordo com o dono da BitcoinsToYou, André Horta, a abertura da loja em Brasília promete ser lucrativa uma vez que a cidade divide com São Paulo o mérito de ser um dos locais com maior volume real de movimentação da moeda no Brasil. Se cidades como Rio de Janeiro e Belo Horizonte também possuem grande número de adeptos da moeda, ainda ficam atrás no quesito de valores movimentados.
Para Adriano Zanella, o franqueado da nova loja, o objetivo é oferecer um espaço seguro com troca de ideias e informações entre funcionários e clientes, aumentando assim o nível de confiança dos brasileiros na moeda virtual.
Se hoje os principais compradores do bitcoin são pessoas que realizam trocas de câmbio para viagens internacionais e usuários de lojas online, a proposta do BitcoinToYou é estimular o comércio convencional a adotar a carteira de bitcoins, assim como já acontece em outras cidades e países. Dell, Amazon, Microsoft e BestBuy são algumas das marcas que aceitam pagamentos com a moeda.
A bolsa de Nova York, coincidentemente, acabou de adotar uma taxa de conversão entre bitcoins e dólares, com a justificativa de interesse dos seus negociantes pela cotação da moeda eletrônica.
A loja de Brasília, assim como a de Curitiba, vende cartões pré-pagos e aceita compras através de dinheiro e transferência bancária. Os donos também estudam a possibilidade da venda de bitcoins através de cartão de crédito, adotando até opção de parcelamento.
Além disso, será possível que comerciantes locais recebam em bitcoins e troquem a transação rapidamente por reais, aproveitando as altas e baixas da moeda sem se submeter a prazos e taxas das operadoras de crédito.
Como investir em Bitcoins e por quê? Veja no Fórum do TechTudo.
Sobre o risco, Adriano não tem dúvida de que se encontra em um negócio seguro e promissor. “No Brasil não é muito comum porque a gente não vê acontecendo, mas várias empresas de sucesso já adotam a transação em bitcoins, que vai ganhando espaço no futuro”, diz ele.
Segurança garantida
André Horta atenta para os cuidados com a segurança do sistema da loja, que possui servidores na Califórnia e na Flórida, além de investimentos em criptografia, certificado SSL e outros métodos que os próprios bancos usam, como autenticação de dois fatores e replicação de dados.
Além disso, há uma reserva de 90% dos valores em poder da empresa em paper wallet, uma garantia física de que a moeda digital não se perderá com uma invasão de software, por exemplo. “Hoje é uma técnica conhecida no mundo todo, todas as exchanges de ponta já usam”, explica André.
Apesar da alta volatilidade do bitcoin, que chega a variar cerca de R$ 30 a R$ 40 por dia, o saque dos valores adquiridos é imediato, de acordo com Adriano, o que aumenta a confiabilidade no sistema. Hoje com uma cotação de 1 bitcoin para cada R$ 758,74, o bitcoin já chegou a variar de US$ 200 a mais de US$ 1.000 em um período de alta na cotação. Os primeiros compradores do sistema, que foi criado em 2009, hoje são milionários.
submitted by souzapex to oBitcoin [link] [comments]

Receita define regra para taxação de IR sobre bitcoins

SÃO PAULO - Contribuintes que possuem os chamados bitcoins - moedas digitais - terão de prestar informações à Receita Federal e, em alguns casos, pagar Imposto de Renda.
O fisco decidiu que essas moedas "se equiparam a ativos financeiros para fins tributários". Por iss o, devem ser declaradas como "outros bens" por quem possuía o equivalente a R$ 1.000 ou mais em dezembro de 2013.
Também é necessário recolher IR de 15% sobre o ganho de capital em transações superiores a R$ 35 mil. Essa obrigação inclui negócios realizados nos últimos cinco anos, cujo imposto deve ser pago com multa e juros.
A Receita diz que não é possível fixar uma regra de conversão da moeda virtual para reais. O contribuinte que utilizar cotações de sites que prestam esse serviço, no entanto, não deve enfrentar problemas com o fisco.
O bitcoin, que surgiu em 2009, é uma moeda que existe apenas no mundo digital e não tem nenhum controle ou garantia estatal ou do sistema financeiro.
Uma série de problemas relacionados a essa forma de pagamento (como fraudes, falências, desvalorização e golpes de hackers) levaram vários países a discutir formas de proteger usuários e evitar o uso desse instrumento em atividades criminosas.
O Brasil, no momento, adotou medida semelhante à divulgada recentemente pelos EUA, que também decidiram que essas moedas devem ser tributadas e declaradas.
No caso brasileiro, a Receita concluiu que é possível cobrar o tributo e as informações sem alterar a legislação.
Bastava o entendimento do órgão de que as moedas virtuais podem ser equiparadas a um ativo para o qual já existam regras tributárias.
Segundo o chefe do Centro de Estudos Tributários e Aduaneiros da Receita, Claudemir Malaquias, a decisão não significa que o governo considera que essas operações estão de acordo com toda a legislação. Abordou-se apenas a questão tributária.
A classificação como algo equivalente a um ativo financeiro também só serve para efeito de Imposto de Renda.
Considerando outros aspectos da lei, o bitcoin não é moeda, valor mobiliário ou mesmo ativo finance iro no Brasil, segundo a Receita.
O fisco também criou um grupo de trabalho sobre transações eletrônicas, para monitorar a evolução desse mercado e verificar se ele se tornará relevante a ponto de exigir novas medidas.
Malaquias afirmou que um dos desafios é conseguir informações sobre essas transações. Mas ele diz que, em algum momento, esse recurso passa pelo mundo real: contas bancárias, cartões ou aquisição de bens, operações acompanhadas pelo fisco.
Leia mais em:
http://www.valor.com.bfinancas/3507132/receita-define-regra-para-taxacao-de-ir-sobre-bitcoins#ixzz2yANfxVS6
submitted by allex2501 to BrasilBitcoin [link] [comments]

Novidades mercadocripto.com.br

Sabemos que o valor do BTC no Brasil, pelos mais variados motivos, nem sempre acompanha o BTC-USD. A partir de agora, nossa conversão automática BTC-BRL passa o utilizar o IXBTC (Índice Brasileiro de Bitcoin) como base (antes usávamos o Bitcoincharts).
Ainda Reduzimos a comissão da CompraGarantida (escrow) - nosso equivalente ao MercadoPago - para 3%.
Alguém procura o que você tem, alguém tem o que você procura. Desapega, faz um bom negócio, anuncia no Mercadocripto.
*CompraGarantida é um serviço opcional. Anunciar no Mercadocripto é totalmente gratuito. Sem limites de anúncios. Sem pegadinhas.
Essas e muitas outras funcionalidades você vai encontrar no mercadocripto.com.br (sem Y), o primeiro e mais completo classificado on-line voltado para o Bitcoin do Brasil.
E tem muitas novidades previstas para os próximos meses... Aguardem!
submitted by flaviolrf to oBitcoin [link] [comments]

Exchange de bitcoin "vira" Banco

A BitcoinToYou, exchange brasileira de moedas virtuais, investiu para ampliar seu leque de serviços, agora operando também como uma empresa de serviços bancários.
A mudança ocorreu após a companhia, fundada em 2013, firmou uma parceria com a Real Bit Investiments, mineradora norte-americana de Bitcoins, para ganhar liquidez financeira e, assim agregar funcionalidades como quitação de contas, boletos, transferências e recarga de celular.
Inicialmente, a companhia atuava convertendo a moeda digital para dinheiro físico, além de administrar a carteira de clientes online. De acordo com a companhia, em dois anos de mercado foram somados cerca de 10 mil clientes. A empresa lança em julho seu novo portal e um aplicativo para os usuários comprarem e venderem a moeda via smartphone. O app facilita a compra, venda e administração da carteira online, com a possibilidade de realizar pagamentos diretamente pelo celular.
"Com a oferta de recursos que antes só eram oferecidos pelos bancos, temos a expectativa de alcançarmos 50 mil clientes em mais um ano", afirma André Hora, diretor da BitcoinToYou.
Com os investimentos da mineradora – que possui datacenters para produção de Bitcoins nos Estados Unidos e China –, a companhia terá ganhos em volume operacional, o que viabiliza os serviços de pagamentos e transferências pela internet, com tarifas inferiores aos bancos tradicionais.
"Os clientes questionavam se era possível pagar boletos com o Bitcoin, fazer recarga de celular ou enviar e receber pagamentos por e-mail como é feito com o PayPal, daí surgiu a necessidade de atualizarmos a plataforma para prover estes recursos, que começam agora em julho", completa o executivo.
A fusão também permite a compra do Bitcoin por uma cotação abaixo da oferecida no mercado nacional. Atualmente, o Bitcoin é vendido por cerca de R$ 800 no país.
Outra novidade é um cartão de débito da BitcoinToYou, previsto para ser lançado ainda este ano. “Com ele, a pessoa poderá fazer compras em qualquer estabelecimento com o Bitcoin, já que fazemos a conversão automática para reais”, detalha o diretor da exchange.
O objetivo do investimento da mineradora americana é alavancar a operação da companhia e torná-la a maior da área no Brasil. Com nova sede em São Paulo e quatro agências físicas – Belo Horizonte, Curitiba, Porto Alegre e Brasília – a BitcoinToYou espera ganhar projeção internacional com a fusão.
“Faremos uma série de novos aportes ainda esse ano para ampliar a operação da empresa para outras regiões do país e para o exterior”, informa Bernardo Schucman, CEO da Real Bit Investiments.
Segundo Horta, depois do boom seguido do período turbulento que a moeda passou em 2014, em função de problemas em exchanges como o caso da japosesa Mt. Gox, a moeda está em um momento de estabilização, retomando o crescimento de forma mais racional.
"Bitcoin deixou de ser utilizado para compras ilícitas e está se tornando uma moeda de troca de produtos em vários sites, como Microsoft e Dell. Além disso, bancos de todo os mundo estão fazendo experimentos com o Bitcoin para poderem utilizá-lo, é o caso do banco americano Bank of America, Santander e UBS", finaliza o executivo.
Fonte baguete.com.br
submitted by brasilbitcoin to BrasilBitcoin [link] [comments]

PagCoin, gateway de pagamentos com Bitcoin

Alguém sabe qual casa de Câmbio eles usam para fazer a conversão dos Bitcoins em Reais? https://pagcoin.com/
submitted by bitcoinusuario to BrasilBitcoin [link] [comments]

Microsoft começa a converter valores em Bitcoin para outras moedas

Conversão será feita por meio da ferramenta de busca Bing. Cotações serão fornecidas pela Coinbase, cliente de carteira virtual.
A Microsoft, maior empresa de software do mundo, começou nesta segunda-feira (10) a converter os valores em Bitcoin, a moeda virtual que virou mania mundial, para outras moedas.
A conversão será feita por meio do Bing, serviço de busca da empresa e concorrente do Google. veja aqui
“Como o Bitcoin (sistema de pagamento ponto-a-ponto e sistema de pagamento) tomou as manchetes e captura a atenção mundial, nós pensamos que seria natural dar a você uma fácil maneira de rastrear as flutuações em tempo real”, escreveu a Microsot no post do blog corporativo em que comunicou a novidade.
As cotações exibidas na caixa de pesquisa serão fornecidas pela Coinbase, desenvolvedora de um cliente de carteira virtual, software usado para armazenar moedas de Bitcoin. No mundo, são mais de um milhão de carteiras Coinbase.
“Nós estamos entusiasmados que o buscador Bing e os dados do Coinbase estão trabalhando juntos para permitir aos usuários que facilmente pesquisem e entendam o valor do Bitcoin”, escreveu a equipe do Coinbase em seu blog.
O mecanismo começará a rodar primeiro para usuários que estiverem nos EUA, Canadá, Índia e Reino Unido. Para internautas de outros países, a novidade será lançada nas próximas semanas.
Até agora, a ação de apoio mais contundente que o Bitcoin havia recebido partira da Zynga, desenvolvedora de jogos socias. A companhia anunciou no começou do ano que passaria a aceitar Bitcoins nos pagamentos de alguns dos itens de seus games.
Fonte G1
submitted by allex2501 to BrasilBitcoin [link] [comments]

GLOBO.com Brasília ganha loja física de Bitcoin; SP e Florianópolis são as próximas

A BitcoinToYou, única empresa do Brasil a realizar transações entre o real e a moeda virtual, inaugurou sua segunda loja física no país ontem (21), em Brasília. A primeira a comercializar bitcoins foi aberta em Curitiba, em junho do ano passado, e as próximas deverão ser em São Paulo e Florianópolis, ainda este ano, segundo a empresa.
A unidade monetária Bitcoin (BTC) é uma moeda online que não possui uma gerência central, tendo seus valores descentralizados a partir de transações por rede de compartilhamentos P2P (ponto-a-ponto). Por também não depender de intermediários financeiros, como bancos e instituições reguladoras como o Banco Central, as transações não contam com impostos e possuem taxas menores de transação.
De acordo com o dono da BitcoinsToYou, André Horta, a abertura da loja em Brasília promete ser lucrativa uma vez que a cidade divide com São Paulo o mérito de ser um dos locais com maior volume real de movimentação da moeda no Brasil. Se cidades como Rio de Janeiro e Belo Horizonte também possuem grande número de adeptos da moeda, ainda ficam atrás no quesito de valores movimentados.
Para Adriano Zanella, o franqueado da nova loja, o objetivo é oferecer um espaço seguro com troca de ideias e informações entre funcionários e clientes, aumentando assim o nível de confiança dos brasileiros na moeda virtual.
Se hoje os principais compradores do bitcoin são pessoas que realizam trocas de câmbio para viagens internacionais e usuários de lojas online, a proposta do BitcoinToYou é estimular o comércio convencional a adotar a carteira de bitcoins, assim como já acontece em outras cidades e países. Dell, Amazon, Microsoft e BestBuy são algumas das marcas que aceitam pagamentos com a moeda.
A bolsa de Nova York, coincidentemente, acabou de adotar uma taxa de conversão entre bitcoins e dólares, com a justificativa de interesse dos seus negociantes pela cotação da moeda eletrônica. A loja de Brasília, assim como a de Curitiba, vende cartões pré-pagos e aceita compras através de dinheiro e transferência bancária. Os donos também estudam a possibilidade da venda de bitcoins através de cartão de crédito, adotando até opção de parcelamento.
Além disso, será possível que comerciantes locais recebam em bitcoins e troquem a transação rapidamente por reais, aproveitando as altas e baixas da moeda sem se submeter a prazos e taxas das operadoras de crédito.
Sobre o risco, Adriano não tem dúvida de que se encontra em um negócio seguro e promissor. “No Brasil não é muito comum porque a gente não vê acontecendo, mas várias empresas de sucesso já adotam a transação em bitcoins, que vai ganhando espaço no futuro”, diz ele.
Segurança garantida
André Horta atenta para os cuidados com a segurança do sistema da loja, que possui servidores na Califórnia e na Flórida, além de investimentos em criptografia, certificado SSL e outros métodos que os próprios bancos usam, como autenticação de dois fatores e replicação de dados.
Além disso, há uma reserva de 90% dos valores em poder da empresa em paper wallet, uma garantia física de que a moeda digital não se perderá com uma invasão de software, por exemplo. “Hoje é uma técnica conhecida no mundo todo, todas as exchanges de ponta já usam”, explica André.
Apesar da alta volatilidade do bitcoin, que chega a variar cerca de R$ 30 a R$ 40 por dia, o saque dos valores adquiridos é imediato, de acordo com Adriano, o que aumenta a confiabilidade no sistema. Hoje com uma cotação de 1 bitcoin para cada R$ 758,74, o bitcoin já chegou a variar de US$ 200 a mais de US$ 1.000 em um período de alta na cotação. Os primeiros compradores do sistema, que foi criado em 2009, hoje são hoje milionários.
FONTE GLOBO.COM
submitted by brasilbitcoin to BrasilBitcoin [link] [comments]

Bitcoin vai mudar a economia mundial?

São Paulo - O economista Fernando Ulrich, de Porto Alegre, descobriu no ano passado o Bitcoin, moeda que circula apenas online, sem a regulação de um banco central.
Cético, em um primeiro momento, Fernando estudou sobre o assunto, virou um defensor da criptomoeda e publicou, em março, o livro Bitcoin – a moeda na era digital. Fernando conversou com a VOCÊ S/A, no mês passado, e conta o que aprendeu sobre o Bitcoin. Para sabe mais sobre a moeda virtual que conquista cada vez mais consumidores, leia a reportagem Crédito, débito ou bitcoin? na VOCÊ S/A de abril.
VOCÊ S/A - O senhor se considera um advogado da causa?
Fernando Ulrich - Independente de ser advogado ou não da causa, estamos falando de uma revolução tecnológica sem precedentes. A criptomoeda é uma resposta do mercado à nossa situação monetária, completamente estatizada.
Se você analisa o mercado, você entende de onde vem o dinheiro, mas a apropriação do dinheiro pelo estado não tem nada a ver com a origem do dinheiro. Pela primeira vez, existe uma alternativa real a essa apropriação.
VOCÊ S/A- Bitcoin é um investimento?
Fernando Ulrich - Do ponto de vista econômico, é um investimento que se assemelha ao ouro. O bitcoin não dá nenhum rendimento. Mas é algo muito recente. Tem pouco mais de cinco anos.
E é importante dizer que não é perfeitamente seguro. Ainda é de alto risco porque o comportamento da moeda é muito instável. Ninguém deve colocar uma parcela significativa do seu rendimento em bitcoin. A confiança na moeda requer tempo. Ao decorrer dos anos, ela vai ganhar essa confiança.
VOCÊ S/A - Então quais são as vantagens da moeda?
Fernando Ulrich - Como ele está em uma rede descentralizada, governo nenhum tem como confiscar a sua carteira. Ninguém pode proibi-lo de enviar ou usar bitcoins como você quiser.
Ele também não pode ser inflacionado por ninguém – nem pelo governo. O bitcoin também está servindo como um estímulo à inovação financeira. As pessoas não precisam da permissão de ninguém para movimentar o próprio dinheiro. Enviar para pessoas em qualquer lugar do mundo, sem precisar pagar as taxas exorbitantes cobradas pelos bancos.
VOCÊ S/A - Esse teor anárquico da moeda não faz com que ela seja usada também em transações ilegais?
Fernando Ulrich - Sim, mas hoje em dia, a esmagadora parte das transações ilegais se dá através de dinheiro físico porque ele é a maneira mais difícil de ser rastreada.
É bem possível que existam pessoas usando bitcoin para transações ilegais, toda transação com bitcoin deixa rastros. É possível saber, pelo sistema, quando e quanto dinheiro foi enviado para cada conta. O bitcoin é uma tecnologia como qualquer outra. Os bancos que estão incomodados. E devem ficar mesmo.
VOCÊ S/A - Por quê?
Fernando Ulrich - Porque com os bitcoins, as pessoas não dependem de nenhuma entidade terceirizada. Ele é muito mais rápido e mais barato. Os comerciantes vão economizar milhares de dólares com as taxas cobradas dos cartões de crédito.
O comércio online entre países vai ficar mais barato, sem as taxas de conversão de real para dólar, por exemplo. As remessas para imigrantes, que hoje são providas por algumas poucas instituições, que cobram taxas de até 10%, vão ficar muito mais baratas. Se os bancos não correrem atrás, vão ficar no prejuízo.
submitted by brasilbitcoin to BrasilBitcoin [link] [comments]

Até Bitcoin deve ser declarada no imposto de renda -EXAME-

** POR Julia Wiltgen, de EXAME.com**
São Paulo - Embora não seja considerada moeda ou valor mobiliário pelas autoridades monetárias do país, as moedas virtuais Bitcoin e Litecoin devem ser informadas na declaração de imposto de renda 2014, definiu a Receita Federal. Além disso, ganhos com a venda dessas moedas podem estar sujeitos à cobrança de imposto de renda.
Em nota, a Receita Federal esclareceu que, do ponto de vista legal, a Bitcoin não é moeda nos termos do marco regulatório atual. Mas "dadas as características identificadas até o momento e à luz da legislação vigente, a moeda alternativa pode ser equiparada a um ativo financeiro", diz a nota.
Dessa forma, o saldo existente de Bitcoins em 31 de dezembro do ano-calendário (2013, no caso da próxima declaração de IR) deve ser informado na ficha de Bens e Direitos da declaração de imposto de renda sob o código 99 "Outros bens e direitos".
Ainda de acordo com a Receita Federal, quando a venda de Bitcoins for em valor superior a 35 mil reais, o eventual ganho de capital deve ser tributado à alíquota de 15%. O recolhimento do imposto deve ser feito até o último dia útil do mês seguinte ao da transação, e pode ser usado o programa GCAP para fazer o recolhimento.
Na nota, o Fisco ressalta que, como é próprio da concepção das moedas virtuais Bitcoin e Litecoin, não há uma cotação considerada oficial, uma vez que não existe um órgão responsável pelo controle de sua emissão.
"Por essa razão, não há como se estabelecer uma regra legal de conversão dos valores para fins tributários. Entretanto, essas operações deverão estar comprovadas com documentação hábil e idônea para fins de tributação por até cinco anos", diz a nota.
Ou seja, quem vender suas Bitcoins e obtiver lucro em reais poderá usar uma das cotações existentes para apurar o imposto, mas precisa de comprovação da cotação usada e da operação.
Adeptos de Bitcoins e outras moedas virtuais em geral militam pela não subordinação a um sistema oficial. Tanto que essas moedas também podem ser usadas para atividades criminosas.
Mas há pessoas que usam Bitcoins e similares para fazer compras lícitas na internet e até como investimento. Não são atividades criminosas - o único problema é que são arriscadas, justamente pela falta de regulação.
Ocorre que quem tiver um grande aumento patrimonial por conta da compra e venda de Bitcoins terá que justificar a origem dos recursos à Receita. A decisão do Fisco, portanto, é capaz de proteger essas pessoas de problemas com o Leão no futuro.
FONTE EXAME
submitted by brasilbitcoin to BrasilBitcoin [link] [comments]

BITCOIN IS FALLING!!!! THE BREAKOUT CAME TODAY! $8,500 ... CORRETORA BINARY l Como CONVERTER Seus BTC Pra o Dolar Bitcoin - Como Investir em Bitcoins - YouTube CONVERSOR DE BITCOIN PARA REAL QUANTO VALE BITCOIN CoinPayments Como Funciona Taxa Cobrada Carteira Para Várias Criptomoedas

A taxa de troca para o Bitcoin foi atualizada por último sobre 5 de outubro de 2020 de coinmarketcap.com. O BRL fator de conversão tem 6 algarismos significativos. O BTC fator de conversão tem 15 algarismos significativos. BRL BTC coinmill.com 5.00 0.00008 10.00 0.00017 20.00 0.00033 50.00 0.00083 100.00 0.00166 200.00 0.00332 Você pode ter uma carteira criando um simples cadastro em algum grande site de Bitcoin, ou instalando uma carteira no seu PC. A diferença e que se o site que você criou sua carteira sai do ar por algum motivo, você fica sem saldo, enquanto a carteira instalada no seu PC vai estar sempre disponível(necessita-internet), *a maioria ou quaze ... Conversão: 1.00 Bitcoin (BTC) = 59063 Real brasileiro (BRL) Conversor de moedas livre para consulta taxas de câmbios. Taxas de câmbio mundiais. Conversor de moedas digitais compatível com mais de 146 divisas diferentes com taxas de conversão. Você pode converter moedas com nossa calculadora de moedas Each bitcoin (1 BTC) can have a fractional part of up to 8 digits so 1 bitcoin can be divided into 100 000 000 units. Each of these bitcoin units (0.00000001 BTC) is called a satoshi. A satoshi is the smallest unit in a bitcoin. This unit is named after Satoshi Nakamoto – the alias of the bitcoin creator. Conversores de bitcoin. Metric Conversions (metric-conversions.org) O Metric Conversions é um site com suporte em diversas línguas, incluindo o português, onde uma ferramenta de conversão de moedas pode ser utilizada de forma gratuita. Basta digitar o valor no espaço em branco e aguardar: o resultado é exibido na mesma tela.

[index] [1013] [2645] [7486] [5388] [5405] [2080] [9302] [5060] [5830] [6657]

BITCOIN IS FALLING!!!! THE BREAKOUT CAME TODAY! $8,500 ...

CoinPayments Como Funciona Taxa Cobrada Carteira Para Várias Criptomoedas Link para cadastro COINPAYMENTS https://goo.gl/Rw7IiI Essa é a forma mais segura de Ganhar Bitcoin! Fala aii meus queridos, serie nova no canal e aqui vamos focar em bitcoin, sim, serie especializada em mineração de bitcoin, aqui infelizmente não vamos fala... Microondas não esquenta, aula 02 acerca de manutenção em Forno Microondas - Duration: 27:05. Professor Cícero Viana Técnico credenciado Recommended for you 27:05 Bitcoin - Como Investir em Bitcoins. Dani Edson explica o que fez para investir em Bitcoins. Quer aprender a ganhar dinheiro com Bitcoins e Criptomoedas? Vej... Bybit $60 Bonus: https://www.bybit.com/app/register?ref=l2RA6 Bybit Tutorial: https://www.youtube.com/watch?v=4dnIDz1NLuw Bitcoin Technical Analysis & Bitc...

https://arab-binary-option-trade.future-forex-trading.site